07 janeiro, 2013

Poesia



Primeiro, antes do mar, existiam dois pés.
Quando foram inventadas as palavras,
era um pouco tarde para separar as veias
das águas, e as águas do poema.

Era tudo invisível; mas um dia rebentou
um pequeníssimo espaço no vazio
onde ser livre alargava uma lua em torno
dos olhos.

O corpo era já um enorme pedaço de terra
e fazia bem saber que existia por vezes um sol no alto,
e estrelas esparsas, e frases complexas com metáforas
e outras coisas meias moléculas, meias sonho.

Quando todo o universo se construiu na sua desorganização,
também já era tarde para mim – fosse para me libertar do oceano,
fosse para permitir que a ilusão me negasse a presença de uma realidade
que me entregaria à explosão imaginaria de deus - ou do eu.

Apenas escrevia. Dia e noite. Sempre.
Como se escrever fosse permitir a invasão de todas as coisas,
como se escrever fosse a espuma do mar ao relento,
na mudez absoluta da madrugada. Entendes?

Algo que não lhe conheço o fim…

4 comentários:

  1. No princípio antes das águas
    Era ansioso o verso,
    Era a palavra.
    Com tempo tornou-se raiz
    Como caule que sustenta a alma.

    Gostei imenso, da tua poesia.
    (e de outras que também li)

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Adorei!

    Beijinhos,
    http://partedoquesou.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigado...talvez volte com mais poesia :)

      Eliminar
  3. Que texto lindo, que coisa rica!
    Parabéns, parabéns e parabéns)))))))

    |o/

    ResponderEliminar