16 setembro, 2012

Sopro


A ideia era sermos livres: presos
pelos astros e pelas artérias e pela felicidade de querer,
enquanto surdos, somos habitados
pelo murmúrio interior, pelas medulas do desejo.

E mesmo que as coisas
tomem o seu passo vagaroso para o sono,
mesmo que hoje me ardam os cabelos
na dança do sonho, e longe - de muito longe -
todas as cavidades da alma se abram
e me escutem

eu quero contigo abrir as estrelas ao meio
e beber cada gota limpa
na nocturna esperança de tudo existir e ser infinito.

Por isso te escrevo e me expresso
com raios e riscos e faíscas para que te lembres
do lugar exacto onde o universo te toca e te mergulha.

Por isso te trago até aqui: onde o liquido das estrelas
corre pelas fendas dos olhos, onde tudo é leve
e onde tudo se sopra

e suspensos não nos desequilibrámos
porque pelo rastejar dos lábios sobre a pele
conhecemos todos os sonhos, e trespassámos
o mundo. 

1 comentário:

  1. Alterei o link do meu blog. Se puderes, visita-o e dá-me a tua opinião!
    http://demim-paranos.blogspot.com
    obrigada! :)

    ResponderEliminar